Rio de Janeiro - 08-02-2018 - Coletiva Segurança. FOTO: Carlos Magno Foto Carlos Magno
Fotografou? Fez um vídeo? Mande para o WhatsApp do
DIÁRIODONOROESTE: (22) 99811-5345

O governador Luiz Fernando Pezão confirmou que o Estado pagará, nesta sexta-feira (9/2), R$ 22 milhões referentes a horas extras – o Regime Adicional de Serviço (RAS) – e ao Programa Estadual de Integração de Segurança (Proeis) pendentes a policiais militares e civis. Pezão disse ainda que já estão disponíveis, a partir de agora, cerca de R$ 9 milhões por mês para o pagamento do RAS a policiais militares e civis. Com isso, serão cerca de 2 mil policiais a mais nas ruas do Rio diariamente. Parte deste efetivo reforçará duas unidades da Polícia Civil: a Delegacia Especializada em Armas Munições e Explosivos (Desarme) e o Laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro. O pagamento do sistema integrado de metas também será retomado nos batalhões da Polícia Militar e delegacias.

A dívida de R$ 76,9 milhões, referente ao sistema integrado de metas, será paga em quatro parcelas, sempre no fim do mês, a partir deste mês. Pezão garantiu ainda que o reajuste de policiais militares e bombeiros (7,11%), policiais civis (9,28%), delegados (3,3%) e agentes de administração penitenciária (3,24%) está mantido e virá na folha de janeiro, que será paga no próximo dia 16.

– Somente o reajuste dos salários significa R$ 1 bilhão a mais, no ano, no bolso dos policiais, bombeiros e agentes penitenciários. Fizemos um grande esforço financeiro, que começa a dar resultados e possibilitou colocar em dia o RAS e o Proeis e, a partir do fim deste mês, o sistema de metas. Isso tudo com recursos próprios, da arrecadação. Outra ação importante é a manutenção do reajuste dos salários dos servidores da segurança este mês – ressaltou o governador.

O secretário de Segurança, Roberto Sá, destacou a importância do aumento do efetivo para o combate ao tráfico de armas.

– Com o RAS, vamos reforçar as unidades distritais. Vamos atuar na Baixada Fluminense, Complexo de Lins, Pavuna e Salgueiro, em São Gonçalo. Aumentaremos a ostensividade de nosso policiamento com recursos do RAS em toda a Região Metropolitana. Serão mais homens trabalhando nas áreas de manchas criminais – explicou.

Ele acrescentou que o combate ao tráfico de armas será intensificado.

– A Desarme e o Laboratório de Lavagem de Dinheiro terão uma atenção especial dentro deste esforço que a Polícia Civil fará. Temos que ter uma cruzada contra as armas, o Brasil não pode aceitar fuzil nas mãos de criminoso, roubando farmácia, roubando posto de gasolina, roubando cachorro-quente. É uma máxima que vamos levar até o último dia. Ano passado, foram 499 fuzis apreendidos, 83% estrangeiros. Este ano, já apreendemos 65 fuzis, com 42 policiais feridos e cinco mortos. Isso gera sensação de impunidade no criminoso. O Brasil não pode aceitar fuzil na mão de criminosos.

O governador ressaltou que outro investimento importante para melhorar a segurança é a aquisição de cerca de mil viaturas para as polícias, no valor de R$ 80 milhões. Desse total, 200 atenderão à Divisão de Patrulhamento Tático Móvel (Patamo) e 85 irão para a Polícia Civil. O processo de compra está sendo finalizado.

Parceria com o governo federal

O governador reafirmou que o programa de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) será mantido.

– Não vamos acabar com as UPPs. O programa pode ter sofrido um abalo, devido à crise econômica. O que fizemos foi um redimensionamento das UPPs, uma ligação maior com os batalhões. Temos que aperfeiçoar e melhorar, e não acabar – enfatizou.

Pezão destacou ainda o apoio das forças federais no trabalho de combate à criminalidade no Rio com as ações que estão em curso desde agosto.

– Agradeço o apoio da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Federal, das Forças Armadas e da Força Nacional, que têm feito apreensões de armamentos, drogas e prisões. Só este ano, são 65 fuzis apreendidos, quase dois fuzis por dia – frisou Pezão, acrescentando que as baías de Angra, Sepetiba e Paraty contarão com patrulhamento especial das forças federais de segurança para combater tráfico internacional de drogas.

A atuação integrada entre as forças de segurança estadual e federal serão intensificadas. Já foi definida uma matriz de responsabilidades que traz as missões constitucionais de todos os envolvidos. Quatro protocolos já estão sendo colocados em prática: cooperação técnica, de comunicações, de perícia de armas, de Oficiais de ligações e protocolo de acesso à base de dados. Também foi definido que a Polícia Federal vai passar a integrar o Grupo Integrado de Operações de Segurança Pública (Giosp), que conta com a participação de entes como as polícias Militar e Civil, a Polícia Rodoviária Federal, além dos setores de inteligência da Secretaria de Segurança e da Secretaria de Administração Penitenciária.

Iniciativas para reforçar a segurança

O secretário Roberto Sá, anunciou ainda medidas que serão implementadas para aprimorar a segurança:

– Criação de plano de combate a roubo de cargas, com módulos na Baixada Fluminense, Complexo do Lins, Região Metropolitana, Salgueiro (São Gonçalo) e vias expressas;

– Transformação do batalhão de grandes eventos em unidade de rondas especiais;

– Aumento do perímetro de atuação das UPPs em conjunto com os batalhões de cada área;

– Radiopatrulhamento aéreo de vias expressas e áreas de turismo. Um radiopatrulhamento para cada Área Integrada de Segurança Pública;

– Plano de segurança turística;

– Aumento do policiamento na Baía de Guanabara, nos aeroportos e nas zonas turísticas (Sepetiba, Angra, Paraty) pelas forças federais.

 

Deixe sua opinião!