Secretaria de Saúde de Macaé informou que houve um aumento crescente do número de casos na cidade nos últimos 20 dias (Foto: Divulgação/Prefeitura de Macaé)
Fotografou? Fez um vídeo? Mande para o WhatsApp do
DIÁRIODONOROESTE: (22) 99811-5345

Parte das cidades mais populosas do interior do Estado do Rio de Janeiro estão enfrentando epidemias e surtos de conjuntivite nestes primeiros meses de 2018. As secretarias municipais de Saúde confirmam epidemias em Petrópolis e Nova Friburgo, na Região Serrana, e surtos em Campos dos Goytacazes e Macaé, no Norte Fluminense.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, a doença não é de notificação obrigatória pelos municípios.

Em Petrópolis, cidade mais afetada, 7.175 pessoas já tiveram a doença. O Hospital Estadual de Campanha (HCAMP) foi montado ao lado da UPA do Centro para iniciar atendimento nesta quarta-feira (14). A unidade é uma tenda com mais de 100 metros quadrados.

Segundo a Prefeitura, a estrutura foi montada com o apoio do 15º Grupamento do Corpo de Bombeiros. A equipe é formada por um médico destacado pelo Consórcio Saúde Legal, dois enfermeiros e dois técnicos de enfermagem.

Só em março, até esta terça, foram atendidos 4.049 pacientes com a inflamação em toda a rede de Saúde do município. O número é quase o dobro de todo o mês de fevereiro, quando foram registrados 2.388 casos da doença.

O secretário de Saúde, Silmar Fortes, reforça que uma vez diagnosticado com a doença, o paciente precisa manter os itens pessoais e de higiene separados dos demais familiares.

“É muito comum ter a contaminação de famílias inteiras com conjuntivite, pois é uma doença transmitida pelo contato. Então é importante que as pessoas não compartilhem toalhas, fronhas e objetos de uso pessoal e busquem atendimento médico logo no início dos sintomas. Quanto mais rápido for iniciado o tratamento mais cedo a pessoa estará curada”, afirma Silmar Fortes.

Nova Friburgo
Ainda na Região Serrana, a Prefeitura de Nova Friburgo divulgou que, somente na UPA do município, foram atendidos e registrados do dia 01 de março até esta quarta-feira (14), 338 casos de conjuntivite e que as evidências apontam que o município enfrenta sim uma epidemia da doença.

Campos

Na maior cidade do interior, Campos dos Goytacazes, o setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde confirmou o surto de conjuntivite, caracterizado pela alteração do número de casos no cenário epidemiológico normal do município, registrado em um determinado período de tempo.

De acordo com a secretaria, em janeiro e fevereiro deste ano, foram realizados 13 atendimentos a pacientes com conjuntivite no Hospital Geral de Guarus (HGG) e 54 atendimentos no Hospital Ferreira Machado (HFM), totalizando 67 atendimentos nas unidades de emergências dos dois hospitais municipais da cidade.

No mesmo período de 2017, foram 28 atendimentos no HGG e 11 no HFM, totalizando 39 registros de pacientes com conjuntivite, um aumento de 60%.

Macaé
A Secretaria de Saúde de Macaé informou que houve um aumento crescente do número de casos na cidade nos últimos 20 dias. De acordo com o coordenador de Oftalmologia, Flávio Cesário, o município está com a média de 150 atendimentos diários, considerados como surto. A expectativa é que, nas próximas semanas, o pico da doença diminua, já que o ciclo tem duração de 30 a 40 dias.

As unidades que realizam o atendimento para quem suspeita da doença em Macaé são: Hospital Público Municipal (HPM), Unidades de Pronto Atendimento (UPA) Barra e Lagomar, Pronto Socorro Municipal, em Imbetiba, Pronto Socorro do Aeroporto e Hospital Público Municipal da Serra (HPMS), em Trapiche.

Sobre a doença
A inflamação atinge a membrana que recobre os olhos (conjuntiva) e causa um quadro de grande incômodo para os pacientes e exige tratamento imediato. Nos quadros leves é utilizado apenas um colírio com tratamento de até três dias, casos mais graves podem ser necessários o uso de anti-inflamatório, colírio e maior tempo de tratamento.

A médica da UPA Cascatinha, Néli Barbosa Martins, reforça que é importante as pessoas estarem sempre atentas aos sintomas iniciais que são os olhos vermelhos, secreção, lacrimejamento, pálpebras inchadas e sensação de areia nos olhos.

Dicas de prevenção:
Não use maquiagem de outras pessoas e nem empreste as suas
Evite compartilhar toalhas de rosto
Lave as mãos com frequência e não as coloque nos olhos sem higienização
Use óculos de mergulho para nadar, ou óculos de proteção se você trabalha com produtos químicos
Não use medicamentos (pomadas, colírios) sem prescrição (ou que foram indicados para outra pessoa)
Evite nadar em piscinas sem cloro ou em lagos