Para aumentar a eficiência operacional em unidades de tratamento de água, a Águas do Rio implantou em Itaocara e Aperibé, no Noroeste Fluminense, um moderno sistema de produção de hipoclorito de sódio, produto responsável pela desinfecção e que é o último estágio antes de a água chegar aos imóveis. Com a substituição do uso do cloro em granel, o novo método representa maior segurança operacional e, principalmente, ambiental, já que utiliza como matéria-prima o sal grosso.
“O processo é simples, com sal, água e energia elétrica para produzir o hipoclorito de sódio. Agora, a produção e a dosagem da solução são automatizadas, dispensando contato manual com o produto químico. Este é um sistema inovador, eficiente, seguro e ambientalmente correto. A função do cloro é eliminar agentes patogênicos, como vírus e bactérias, e por este motivo ele está presente em todas as unidades de tratamento de água da concessionária. Sua utilização é indispensável”, explicou Rafael Gulinelli, supervisor de tratamento de água da empresa.
Em Itaocara, o sistema tem capacidade de produzir, em média, 274 litros de hipoclorito por hora; já em Aperibé são 137 litros. Ele traz também como vantagem a estabilidade do nível do cloro até a ponta da rede e garante a qualidade da água em todo o sistema de distribuição, pois este produto químico é um agente oxidante que destrói microrganismos patogênicos causadores de doenças transmitidas pela água, como a cólera, a febre tifoide, a hepatite A e a disenteria.
A implantação do gerador faz parte do planejamento de melhorias contínuas da concessionária. Há planos para implantação em outras unidades.

Conhecendo o sistema de perto

Em comemoração à Semana Mundial do Meio Ambiente, a Águas do Rio recebeu alunos do 6° ano do Ensino Fundamental do Centro de Ensino Gente Miúda. A ideia é que eles conhecessem a Estação de Tratamento de Água (ETA) de Aperibé, por meio do programa ‘Portas Abertas’.
O grupo percorreu a ETA e conheceu cada etapa do processo de tratamento. “Achei muito legal. Nós aprendemos de que maneira a água chega aqui e como ela fica limpa antes de seguir para as nossas casas”, disse o estudante Davi Siqueira.
Segundo a professora de Ciências Monique Ribeiro, a visita foi simbólica, especialmente por ter acontecido numa semana em que se discute a preservação ambiental.
“Nossa cidade é banhada pelo Rio Pomba, um recurso hídrico tão importante. Aqui eles puderam ver na prática como é difícil tratar a água. Há tantos municípios brasileiros sem acesso a água potável, e aqui nós temos que valorizar o trabalho de vocês, da Águas do Rio, que garantem uma água de qualidade nas torneiras de casa”, finalizou.

Fonte: ASCOM

Deixe uma resposta