Uma menina de 13 anos foi atingida por uma bala perdida no abdômen quando voltava do balé, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio. Ana Beatriz Barcelos do Nascimento estava na comunidade do Pixunas, no Bancários, quando ficou no meio do fogo cruzado entre policiais militares do 17º BPM (Ilha do Governador) e traficantes. A garota foi levada para o Hospital municipal Evandro Freire e transferida na manhã desta sexta-feira para o Hospital municipal Souza Aguiar. O estado de saúde dela é grave.

De acordo com informações do batalhão da Ilha, uma equipe fazia diligências para apurar denúncias de extorsões de traficantes contra motoristas de aplicativo quando aconteceu um ataque contra os agentes. Houve reação. Ana Beatriz ainda tentou correr para casa, mas acabou sendo baleada.

O caso foi registrado na 37ª DP (Ilha do Governador). As armas dos policiais envolvidos no tiroteio foram apreendidas e serão encaminhadas para a perícia. Agentes da 1ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) estiveram no Hospital Evandro Freire durante a madrugada. A PM afirmou que a Corregedoria Interna apura o que aconteceu.

Já a Polícia Civil informou que a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) auxilia a investigação da 37ª DP e que os PMs já prestaram depoimento. De acordo com a corporação, as imagens das câmeras corporais dos agentes envolvidos no confronto serão solicitadas.

Veja a nota da PM na íntegra:

“A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que, na noite de quinta-feira (13/6), de acordo com policiais militares do 17º BPM, equipes da unidade realizavam patrulhamento na Rua Brigadeiro Newton Braga com objetivo de verificar denúncia de que traficantes locais estariam extorquindo motoristas de aplicativo. Neste momento, os agentes foram atacados a tiros por criminosos e houve confronto.

Posteriormente, os policiais foram informados que uma menina teria sido atingida por disparo de arma de fogo e socorrida ao Hospital Municipal Evandro Freire. Os militares foram ouvidos e os armamentos utilizados foram recolhidos. A Corregedoria da Polícia Militar instaurou um procedimento apuratório para apurar as circunstâncias do caso, paralelamente às investigações da 37ªDP.

Vale ressaltar que a equipe utilizava câmeras operacionais portáteis, e que caso solicitada para colaboração nas investigações, as imagens serão disponibilizadas”.

Fonte: Extra

Deixe uma resposta