A Abrape (Associação Brasileira de Promotores de Eventos) divulgou na última segunda-feira, 20, um manifesto em que exige a retomada dos shows, eventos de cultura e entretenimento do país, sem restrições, desde que o público apresente o comprovante do esquema vacinal. O texto indica um cansaço dos empresários e profissionais do setor. Eles afirmam que o tamanho do prejuízo chegou a um ponto em que poderá ser impossível retornar a curto prazo aos patamares dos anos pré-pandemia.

Entre março e dezembro do ano passado, o setor de eventos registrou prejuízo de R$ 270 bilhões com a pandemia do novo coronavírus. As perdas levaram ao desemprego de 3 milhões de pessoas. O segmento representa 13% do Produto Interno Bruto (PIB) e tem 60 mil empresas que dependem diretamente da realização de eventos para funcionar, além de 2 milhões de microempresários. 

Com o avanço da vacinação no Brasil, muitos estados se preparam para a retomada dos eventos no formato presencial. A tendência é de que o retorno ao modelo presencial ocorra gradualmente neste final de 2021 e ganhe mais aderência das empresas e do público a partir do ano que vem, tendo em vista que a vacinação segue avançando rapidamente. Assim, a expectativa é que já no 1° trimestre de 2022 os números de reservas em hotéis, restaurantes e espaços de eventos possam performar de forma semelhante aos índices pré-pandemia. Com essa retomada sendo vital para a maioria das empresas do setor, existe uma movimentação muito grande para permitir que este retorno seja feito com o máximo de atenção a todos os critérios e normas de segurança.

LIBERAÇÕES

A Prefeitura do Rio de Janeiro liberou três eventos ao ar livre com grande público em outubro sem necessidade de máscara e distanciamento. São duas festas para até cinco mil pessoas — uma em um espaço aberto no Centro e outra no Alto da Boa Vista — e uma festa de aniversário para 500 pessoas, em um hotel da Zona Sul. Nos eventos, será obrigatório apresentar o comprovante de vacinação e o teste negativo de Covid feito, no mínimo, com 48 horas de antecedência. Todas essas decisões já tinham sido aprovadas pelo Comitê Científico da Prefeitura do Rio, que analisa a situação da Covid na capital. A previsão é que em novembro não haja praticamente mais nenhuma restrição na cidade.

O Governo do Paraná liberou, a partir desta terça-feira (21), a realização de eventos em espaços abertos com até 5 mil pessoas. A medida foi publicada em uma nova normativa, que altera o decreto publicado no dia 14 de setembro. Nos casos de eventos ao ar livre, a publicação permite que os espaços tenham ocupação de até 60% da capacidade máxima dos locais. Segundo o governo estadual, a medida foi flexibilizada porque o cenário da pandemia foi estabilizado após 95% da população adulta ser vacinada pelo menos com a primeira dose da vacina contra a Covid-19. Quem for a um evento no estado, precisa comprovar estar com o esquema vacinal completo contra a doença ou apresentar o exame RT-PCR negativo, com no máximo 48 horas de antecedência.

No Distrito Federal, o decreto assinado pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), nessa terça-feira (21/9), libera, após longa interrupção, a realização de eventos e festivais no Distrito Federal. Esse é o maior movimento de reabertura do mercado de entretenimento, que sofreu bastante com os impactos causados pela pandemia de Covid-19. Mesmo que ainda sejam necessárias medidas de contenção e limitação do público, as principais produtoras de evento de Brasília receberam a notícia com alegria, porém, afirmam que o momento ainda inspira cautela. Mesmo que ainda sejam necessárias medidas de contenção e limitação do público, as principais produtoras de evento de Brasília receberam a notícia com alegria.

Em Curitiba, apresentações teatrais ou musicais em espaços abertos, com limitação de público de 5 mil pessoas, desde que observada a capacidade de 60% do espaço, estão liberadas. O primeiro show de uma banda de renome nacional vai ser do Paralamas do Sucesso, marcado para o dia 23 de outubro. O valor mais caro de ingresso é no setor vermelho, o mais próximo do palco. Para quem estiver vacinado o custo é de R$ 140 por pessoa. A pessoa precisa comprovar que foi imunizado ao menos com uma dose da vacina seja pelo aplicativo Saúde Já ou na carteira de vacinação.

A volta dos eventos presenciais é um desejo que extrapola o mundo corporativo, uma vez que a grande maioria dos brasileiros sente falta da proximidade humana. 

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here