O município de Porciúncula recebe, de 16 a 30 de julho, a exposição itinerante “Histórias de quem produz e preserva”, com 43 fotos do fotojornalista Gustavo Stephan e da engenheira florestal Luana Bianquini, que contam a trajetória de produtores rurais reconhecidos pelo projeto Conexão Mata Atlântica como prestadores de serviços ambientais. O lançamento será no dia 16 (terça-feira), às 19h, no Centro Cultural Dr. Edésio Barbosa da Silva (Av. José Tanus s/n°). A exposição fica aberta à visitação até dia 30 de julho, de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h. A ação socioambiental conta com apoio da Prefeitura Municipal de Porciúncula.

Os 11 produtores rurais retratados na exposição representam os 164 produtores rurais reconhecidos pelo projeto por adotarem ações de conservação e restauração de floresta nativa e implementam práticas agrícolas sustentáveis, como os sistemas silvipastoril e agroflorestal. O objetivo é conscientizar mais produtores rurais e a sociedade em geral sobre a importância de ações ambientais de conservação e recuperação florestal para o desenvolvimento sustentável no meio rural.

Sobre o projeto – Além de responsável pela produção dos alimentos que chegam à nossa mesa, o produtor rural desempenha um papel social e ambiental fundamental na preservação dos recursos naturais necessários para a garantia da produtividade da terra e da manutenção da vida no campo e na cidade.

Ações de conservação e restauração da floresta, assim como a adoção de práticas produtivas mais sustentáveis, contribuem para a redução dos níveis de gás carbônico (CO2) na atmosfera, ajudam na provisão da água e na manutenção da biodiversidade da flora e da fauna.

Coordenado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (SEAPPA), o projeto Conexão Mata Atlântica já realizou o pagamento de mais de R$ 1 milhão, para 164 produtores rurais do estado prestadores de serviços ambientais. Os recursos são repassados anualmente aos produtores rurais que comprovam as ações e investidos na melhoria e inovação dos negócios rurais, gerando impactos socioeconômicos e ambientais positivos para as comunidades das áreas atendidas.  

Áreas de atuação – No estado do Rio de Janeiro, o projeto Conexão Mata Atlântica abrange seis microbacias localizadas em áreas estratégicas para a manutenção dos fragmentos florestais de Mata Atlântica e preservação dos recursos hídricos que compõem as regiões hidrográficas do Baixo Paraíba do Sul e Itabapoana e Médio Paraíba do Sul. No Noroeste do estado, as áreas atendidas correspondem aos municípios de Italva (microbacia Córrego Coleginho/Olho D’água), Cambuci (microbacias Valão Grande, Córrego Caixa D’água/Valão Grande II), Varre-Sai (microbacia Varre-Sai) e Porciúncula (microbacia Ouro). Na região Sul serão contemplados os municípios de Valença e Barra do Piraí (microbacia Rio das Flores).

Os recursos destinados às ações no estado do Rio somam cerca de R$ 44 milhões. Desse valor, U$4,1 milhões (cerca de R$ 15 milhões) são originados do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) – executados pela Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) – e aproximadamente R$29 milhões de contrapartida do governo estadual, que serão aplicados por meio de medidas compensatórias de recuperação florestal e investimentos em ações já desenvolvidas pelo programa Rio Rural a partir de 2014.


SERVIÇO:
Exposição Histórias de quem produz e preserva – Conexão Mata Atlântica

Lançamento: 16/07, às 19h
Exposição: até 30 de julho, das 8h às 17h
Local: Centro Cultural Dr. Edésio Barbosa da Silva (Av. José Tanus s/n°)

Informações sobre o projeto
www.inea.rj.gov.br/conexaomataatlantica
Coordenação do Conexão Mata Atlântica no Rio de Janeiro
(21) 2334-9601 – conexaorj@mataatlantica.finatec.com.br